Saber Ler Entrelinhas

Resolvi criar este blogue em português após uma análise geral que me levou à conclusão de ver que não havia quase nada escrito em português sobre pelo menos alguns temas aqui tratados, dando simultaneamente o meu contributo a quem ainda respeita a sua língua em Portugal, nas comunidades portuguesas e de expressão portuguesa, pois existe muito material escrito em inglês sobre a matéria do politicamente correcto e o seu impacto negativo na liberdade de expressão do mundo ocidental actual.

Andámos a adquirir direitos durante o Século XX para andarmos a perdê-los no Século XXI.

O estado canadiano, por exemplo, resolveu passar leis que ditam como devemos falar (novos pronomes relativos ao tratamento de pessoas com tendências sexuais diferentes que devem ser tratadas com o uso de pronomes adequados à sua condição).

A língua evolui naturalmente e não por decreto.

Faço-o também, depois de ter criado blogues em inglês, para dar o meu contributo à língua portuguesa e tentar manter viva a chama da sua ortografia na sequência da crucificação que sofreu com a nova imposição por decreto do novo “acordo”.

Aqui, o leitor que não domine a língua inglesa e também pelo prazer de ler em português terá a oportunidade de ler o que escrevo em inglês e que irei traduzindo.


Não escrevo em “acordês” porque não sigo o (des) acordo ortográfico.


O estado do mundo (zeitgeist) nos tempos que correm resume-se a um ataque feroz à intelectualidade e liberdade de expressão, sobretudo no mundo ocidental, que se revela perniciosamente de várias maneiras, mas sempre em nome da “igualdade de direitos”.

Isto é feito através de uma engenharia social modificando o comportamento humano de forma a piorar as condições de vida do Homem com o pretexto de uma melhoria de vida.

Este fenómeno manifesta-se, por exemplo, através do politicamente correcto e justiça social, entre diversas outras maneiras, sendo uma delas o feminismo (que nada tem a ver com igualdade de oportunidades mas sim com o fim da masculinidade) assim como a imposição de valores de entidade colectiva (tribalismo) em detrimento dos valores do indivíduo.

A competitividade é valorizada em oposição à entreajuda para o bem comum.

Caminhamos a passos largos para um mundo desprovido de valores fundamentais de conduta, como o respeito e a família como base do equilíbrio individual e social, entre outros valores essenciais para uma vida em paz e harmonia.

Surgem agora no meio do caos social que atravessamos pensadores que analisam este fenómeno social e nos orientam, como Jordan Peterson, entre outros, tentando ajudar-nos a sair do marasmo social em que fomos mergulhados e a manter a sanidade mental necessária para restabelecer a ordem nas nossas vidas tirando sentido do caos que tem vertiginosamente vindo a assolar a nossa sociedade.

Jordan Peterson é psicólogo clínico e professor universitário no Canadá, tem palestras no YouTube, escreveu o livro 12 Regras para a Vida, e tem sido entrevistado por convite em todo o mundo, sistematicamente debaixo do fogo da comunicação social ocidental instalada e das minorias radicais extremamente organizadas, e com demasiado poder, que o acusam de destabilizar a ordem social.

Espero poder contribuir com estes pequenos textos para um mundo melhor, livre de constrangimentos desnecessários que só atrofiam o desenvolvimento e asfixiam a mente.

Rogério Ferreira